quinta-feira, 29 de abril de 2010

É o seguinte:

E se eu dissesse que metade do que sabe é mentira sobre mim? que talvez eu seja bem menos corajoso do que pareço, odeio a solidão! e morro de medo dela, na verdade eu sou um covarde sempre a espera do acaso, sabe nunca fui daqueles tipos corra atraz do seu sonho, e é difícil falar isso, é difícil assumir a farsa da imagem, não sou cult, nem nerd, nem alternativo, nem nada na verdade eu me acho bem brega, é eu não sou tão moderninho quanto pareço, ainda gosto das coisas romanticas à moda antiga, ascendo um cigarro, café, continuando, sim eu tenho muitos medos, além da solidão eu morro de medo do futuro, dessa incognita que nos cercas, dos misterios da vida, em me encontro em estado de mudança e isso é claro, mais me sinto incapaz as vezes é louco! pessoas vem e vão ao tempo todo, é como se nada fosse durar pra sempre e eu queria que certas pessoas ficasem comigo pra sempre, outro cigarro, é normal alguem de 22 esta completamente perdido? sem emprego sem um curso superior sem nada? eu fico imaginando o tempo vai correndo e a pressão só aumenta, e nada do que eu desejo ou acho que desejo pode ser considerado válido segundas opniões sempre valem mais que as minhas, parece que o mundo enlouqueceu, oks lá vou com meu conformismo acalmar tudo dentro de mim, me digam aquelas frase do tipo: no fim tudo acaba bem, acaba bem é o escambal, nem sempre acaba bem na verdade acho que existem menores possibilidades de acabar bem, e se eu ti dissesse que odiei fumar maconha? que me imagem junkie é uma farsa?! bem não foi tão farsa mais foi bem forçada, que eu ja transei várias vezes numa única semana com pessoas diferentes? só pra sentir uma gota de carícia que não fosse das minhas próprias mãos, que eu morria de medo de dizer eu te amo, e quando chegou a hora de dizer simplesmente não saiu?! se eu te dissesse que depois que conseguir falar perdeu a graça?! mas eu consigui que fizesse sentido outra vez, eu acho, ahh não sei mais de nada, só sei o que lhe digo, e quando digo, já me disseram que quem nasce assim feito eu, não encontra a tampa da panela, dizem que eu gosto de desafio e quando os conquisto caiu fora, mais eu não quero eu juro, mais sempre tem algo que não deixa ser para sempre, ser acabado interrompido, ser dividido, mais eu sigo, a vida sempre segue e se entregar é uma bobagem já dizia uma música e tbm o blues que toca agora no rádio, its a long road out there, é uma longa estrada lá fora talvez eu ainda sinta medo de me entregar totalmente a essa estrada, de fazer parte desse desencontro vital com os personagens da minha biografia, se for assim estou partindo, deixo todas as formas de apego de lado e me entrego, já que você vai mesmo embora espero que valha a pena ter descoberto um pouco do que sou, e que quando você partir que eu já esteja entregue a esse modo de vida ao menos soubemos aproveitar nosso tempo e disso, não podemos reclamar. Então falta pouco como você vai me ver depois disso, de saber que minha moral, bem simplesmente eu não tive moral, que bem eu fiz coisas que te deixaram envergonhado?! talvez seja meu instinto de defesa te contando todo meu lado podre, para que sua raiva exploda e faça você me dizer coisas que provavelmente irão me magoar e assim será mais fácil lidar com isso tudo, só não me diga que me ama e que podemos superar a distância, pois talvez isso torne tudo mais duro para nós mesmos...

6 comentários:

mulézinha disse...

AAAAAAAAAAAh que texto...
Sabe eu sou otimista, demais até pra ser bem verdadeira, mas odeio quando o fazem por mim, então não vou ser a do clichê 'ok, pode crer que tudo vai dar certo'

mãããs talvez você possa pensar isso por si mesmo, e voltar a perceber que o passarinho ainda canta pra você.

''Fazia dias que aquele pássaro não cantava na mangueira ao lado da minha casa, ou será que ele sempre esteve ali e eu que não percebi? ''

Obs:. Minha tia é jornalista e disse que você TEM(leu bem?) TEM que levar todos esses textos maras aaa vários blogs, tem muita gente que gosta do que encontra aqui porque vc passa emoção através do que escreve e muitas vezes, como a música, nos cabe como luva. Vo indicar você pra alguma revista, vc precisa de uma coluna numa revista descolada...


beijos amado

Gui Tekirai disse...

nossa fiquei impressionado! Me identifiquei muito com esse texto, axo q ele era pra ter saido de minha cabeça. pareceu ate uma carta de despedida dessa vida. continua escrevendo! =*

Alexandre Maia disse...

Muito obrigado querido, legal que curtiu. Seu blog é muito inteligente, interessante e cultural. Parabéns e vamos trocar idéias e figurinhas, ok
Abração

franck disse...

Gostei dos seus textos, do seu cotidiano, do seu ser-reflexivo, da estéstica do seu blog...voltarei mais e mais...abçs!

Santmacedo disse...

Zorra, puta texto viu... É horrivel essa [pre]conceito que os outros fazem da gnt..

Cristiano Contreiras disse...

Realmente,

faço coro aqui:

a forma como você expressa seus sentires, seu desabafo reflete uma problemática de muitos jovens por aí. E não condeno não, pois já vivenciei estes momentos "perdidos", onde me encontrava na falta do meu encontrar - totalmente inexpressivo, sem perspectivas ou com fragilidades a mil.

Parabéns pelo texto, pela forma de providenciar seu blog!

sigo seus passos.