segunda-feira, 5 de setembro de 2011

No meio.

Qual o problema de não ser de extremos? pessoas cada vez mais te exigem uma atitude condescentende, e quando não se nasce pra tecer opiniões rápidas, nem escolher em segundos, quando você começa a perceber que o acaso é o melhor a decidir por você que você mesmo?! eu gosto de apreciar o desenrolar das coisas naturalmente, eu gosto do soar do vento, das doces surpresas que a vida me traz, eu sou alguém que tem uma sina para as escolhas erradas, depois de um susseção de escolhas erradas na vida, eu me rendi ao acaso, suculentamente digo não sei ou então vamos ver no que vai dar, rs não sou de escolhas então não me peça pra escolher, Gosto de observar como se vivesse eternamente numa cadeira de uma sala de cinema, é claro que isso não significa que eu seja alguém que nunca faz nada... gosto da calmaria de uma conversa ao som de um velho vinil, as vezes fico agitado como uma tempestade, mexo em tudo, mudo tudo desde os móveis de lugar ao fio de cabelo fora do penteado, digo e contradigo, opino e desopino, pinto e apago, meu livro é assim mutante, errante, corrigido aquilo que foi escrito a lápis, ou borrado aquilo que infelizmente foi feito de caneta, aquelas coisas que não se apagam e ficam sempre esses borrões não que eu não goste deles pois a visibilidade deles é o que me garante não cometer o mesmo erro outra vez, eles são importantíssimos para minha história são eles o a moral da história, e eu também sou feito deles, eu sou meio mar que em um só dia tem suas marés altas e baixas, inquietude, no silêncio ainda sei dançar e me fazer alegria, eu naõ tenho problema em ser de meio termo de está ao meio, meio alegre, meio triste, só quem capta todo meu disfarce sabe que está ao meio é uma bela metáfora, eu estou prestes a... eu sou sempre a ação que se tornará, que se completará eu sou o que virá, o amanhã, meu presente é sempre gerúndio e assim eu sigo, fugindo, sorrindo e chorando, agradecendo e lamentando, afirmando e questionando, eu sou, estou sendo e serei esse movimento contínuo por assim dizer, entenda que a estadia aqui é temporária então fiquemos combinados de estarmos todos vivendo do que apenas estar vivo.

5 comentários:

Isolda disse...

Tenho inveja de quem consegue estar no meio, não sendo que nem eu: 8 ou 80. Ou 0,8 ou 80000000000.


=****

dyghu disse...

É uma característica sua, para muitas pessoas isso seria um caráter volúvel. Mas quem é tão perfeito para apontar o dedo dizendo q vc está certo ou errado. Trabalhe bem isso e fique bem consigo mesmo, do jeito q está: no meio.

Július disse...

Acho que a medida certa está na verdade em ser um rio no ciclo da água, batemos em encostas, transformamos leitos, rocham e pedras arrastamos... é um equilibrio imperfeito na perfeição da vida, se é que isso exista.
Seu texto, mexe e remexe como um psicologo que você é.
É BELO seu texto.
Não serei um grego ao ler isso, serei um louco ao achar que muita coisa está certa e outras a aplicação é realmente algo singular. Mas serei mais doido em dizer, é maravilhoso seu dito, parece até que isso vem do fundo de um sorriso que quer (aliais) precisa ser ele mesmo.

Július disse...

Jeff, estarei no meu blog esperando um comentário sobre minhas simples palavras, ok!

Coelho disse...

OPA, dando uma passada aqui, comenta la meu tb, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.
Eu tinha que falar isso, gomenasai! haha
Não se preocupe tanto, não vai adiantar.