terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Doces pequenas doses.

O telefone que não toca mais, nem a campainha, nem nada. Eu chego a pensar que eu não sou real e que tudo é apenas fruto dos meus sonhos frustrados. Essa merda toda me faz pensar que eu sou a menor pessoa do mundo, por isso ignoro a todos, e a única pessoa que provavelmente poderia me salvar de mim mesmo me deu as costas e ta seguindo rumo contrário de onde estou, tudo isto parece um pesadelo sem fim, só porque eu me tornei escravo dos meus mártirios, eu não sei desde quando surgiu essa idéia de esperar uma palavra externa pra poder conseguir um pouco de calma, mais só funciona assim não adianta eu me dizer que está tudo bem eu preciso ouvir de outra pessoa. Mas eu tenho tentado duramente mudar este contexto, as vezes falta ar para continuar tudo isto, uma luta inútil contra uma força maior, das lembranças da infância por melhores que sejam só consigo capturar as tendências suicidas da adolescência, a única coisa que me serviu eram meus belos danem-se para tudo que me era imposto, hoje eu sou um bosta de um conformado, me tornei tudo aquilo que detestava, me tornei meu pior inimigo, sonhos vem e sonhos vão, realizá-los fica cada vez mais distante, só de passagem todos nós estamos, e se é sozinho que se nasce e se morre por que dessa dependência? me apego tão facilmente quanto me desapego as vezes é uma virtude outras é um carma, quando quero já não quero, quando não quero mantenho-me no desejo contínuo... e se essa for a minha sina? aceitar eu já aceitei onde irá me levar é a questão maior de todas minhas questões, vale a pena? eu tento manter firme esse laço, mais as vezes sabe não depende só de mim manter isto vivo, e quando eu espero as atitudes externas elas nunca vem, nunca são os bastante pra me convencer então eu desisto, agora não sei como falar, mais desistir é sempre meu próximo passo, desistir verbo rotineiro, não se espante quando souber que eu desisti, eu não aviso simplesmente faço. Só não desisto de mim mesmo sou egocêntrico demais para isto, mais do resto é tudo descartável que eu já sei.

5 comentários:

Theo disse...

Nossa... primeira vez no seu blog e já leio um texto tão... tão intenso!
Acho legal quando a pessoa escreve o que tá sentindo sem medo de chocar, ou de esconder os sentimentos que, nem sempre, são bons. É assim que somos, né? Bons e maus. Instáveis. Inconstantes...

Gostei muito disso aqui e acho que você não deveria desistir.

Andei por uma fase bem down ultimamente, querendo desistir... ou que "desistissem" por mim, mas passou. Espera que tudo passa!

Força pra ti enquanto isso.

Vou te deixar o trecho de uma música:

(...)E você provavelmente não quer ouvir "Amanhã é um outro dia"
Mas, eu prometo, você vai ver o sol de novo.
E você está se perguntando por que a dor é o único caminho para a felicidade
E, eu te prometo, você vai ver o sol de novo (...)

Abço ^^

Judy disse...

Oi,tem um selo pra vc no meu blog.

Bjs

Judy disse...

Oi,tem outro selo pra vc no meu blog, passa la.

bjs

' disse...

(...)e se é sozinho que se nasce e se morre por que dessa dependência? me apego tão facilmente quanto me desapego as vezes é uma virtude outras é um carma, quando quero já não quero, quando não quero mantenho-me no desejo contínuo... e se essa for a minha sina?

me indentifiquei tanto , que fiquei até sem ter o que comentar :x deve ter a ver com a hora da manhã tb né ? (sempre invento desculpa pra td) >.< é que eu nao consigo raciocinar mt a essa hora da manhã, depois das 10:00 que melhora! ueheuheueheu . mas eu adoreeei o texto! :@@ , de verdade ! beijo enorme ;*

H A R R Y G O A Z disse...

Brilliant.