segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Só mais um estranho no ninho


Eu sempre soube que havia algo diferente,
desde a infância, eu era do tipo
de criança que abria o guarda chuva
e se jogava do alto, na esperança de flutuar e ser
levado com o vento
mas sempre se debatendo com um chão
cada vez mais duro e dificil de ser encarado
como ponto de chegada dessa aventura
aquele que se fechou num casulo durante
quase toda adolescencia, sem muitos amigos
perdido nas suas imaginações
que levou uma vida de sentimentos frios
de seus pais, que tinha medo de abraços
e de dizer seus sentimentos mesmo
amando muito outra pessoa
agora enfrenta uma batalha consigo mesmo
a admitir erros e supera-los, a pedir ajuda ao
invés de oferecer sempre,
perdido em um quarto
ouvindo suas musicas estranhas
e vendo filmes de baixa bilheteria
tatuando o corpo e colando
imagens sem nexos na parede
o que fazer quando seu mundo perfeito
está sendo construído entre 4 paredes
e você tem medo de que alguem não saiba compartilhar
suas lembranças com tanta intensidade
como deixar alguem supostamente
entrar porta a dentro,
a dúvida de que ninguem possa ser tão bom
e capaz de construir momentos
bons para que no futuro as
lembranças não sejam tão dolorosas
quanto as deixadas no passado.

1 comentários:

Carina disse...

Jeff... nada faz sentido....

Nada, absolutamente nada... e se vc ficar procurando sentido pra tudo vai ficar louco, seu lokoloko!!

e vc é meu Poulain, A. preferido!!

bjins

fica bem