quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Queria explicar.

Tropeços e quedas no início, até eu conseguir caminhar sozinho ao teu lado, é tão difícil te querer e te deixar livre, quero te prender em uma jaula! eu que aprendi a te ter apenas dentro de mim, é difícil não te ouvir, não te sentir, saber que estás a milhas de distância e aceitar esta espera, eu me diperso em pensamentos e teses. e na prática, bem na pratica eu deixo a insanidade falar, me mordo e me corto em pedaços essas paredes que parecem assistir em silêncio minha loucura, vivendo a espera das pequenas doses de amor que você me proporciona, já aprendi muito ao teu lado, e vivendo esta prova de fogo que é estarmos juntos mesmo distantes eu vejo que um futuro lindo nos espera, eu tenho conciência disto mas na prática é uma missão árdua e diária conviver com a ausência, com a saudade que leva um pouco de ti de mim a cada dia, meu medo maior é que mesmo consciente que não é o fim, essas pausas no tempo sem nos vermos acabe nos sufocando. Agora você está aqui tudo corre tão bem, tudo faz bem, nós nos fazemos bem?! quando se trata de você é tudo bem mais complexo do que eu consiga entender, um instante raiva e no outro desejo, que arde e queima profundamente, é comos e você me envolvesse como o ar e me sufocasse como água, é engraçado como me adaptei a um jeito novo de esperar apenas o que me convém, já que eu não consigo renegar aos teus beijos ao anseio de te ter ao meu redor, por volta dos meus braços num enlaçado abraço, você sabe todos minhas manhas e tem todas artimanhas de me dobrar de me laçar, e desatar todos meus nós, aprendo e desprendo, perco total minha razão são apenas teorias bobas e tolas que nem sempre fazem sentido, você anula tudo! e também constrói, eu nem sei mais como me expressar, que delírio eu só sei o que vejo, e o que vejo: desejo! sou todo isso, palavras não são capazes de traduzir o sabor da tua boca, nem de dizer o quanto meu corpo vibra ao ser tocado por você como se eu fosse algum instrumento você me dedilha sabe todas a notas e arranjes eu eu? eu apenas deliro, vibro, aproximo-me para entender e compreender esse momento mais é algo que vai além de mim, além das minhas explicações, só posso observar este estranho (para mim) fato em que eu adoro me perder, você me ensina a alegria dispersa em minha vida e eu te mostro meu verdadeiro e íntimo eu, um mundo opaco e sem vida que após tanto tempo floresce com teu sol. te amo!

2 comentários:

Bruno Dezinho disse...

Linda declaração.

Kivia Nascentes disse...

Eu sinto uma imensa falta dessa força, essa vitalidade em mim. Lindo texto.

beijos